Em formação

Uma ilha francesa fechou suas praias devido a ataques de tubarões

Uma ilha francesa fechou suas praias devido a ataques de tubarões

A ilha francesa chamada "La Reunion" sempre se caracterizou por seus perigos naturais. Mas desde 2011, a presença de tubarões-tigre e da Sardenha tornou-se uma séria ameaça.

Na última década, tornou-se o local do mundo com a maior mortalidade por ataques de tubarões. A comunidade científica, que se mobilizou para desenvolver medidas de proteção, ainda busca uma explicação para esses encontros.

No mundo há, em média, mais de cem ataques por ano, mas nem a Austrália, nem a África do Sul, nem a costa leste dos EUA concentram tantos ataques mortais de tubarão quanto esta pequena ilha francesa com grande atividade vulcânica.

Dos 27 assaltos ocorridos desde 2011, onze foram fatais, quebrando um triste recorde mundial. Somente em 2011 foram registrados sete ataques, dos quais dois foram fatais.

A “crise dos tubarões”, como a situação foi batizada, foi desencadeada por duas mortes a oeste da ilha de La Reunion em uma área chamada Boucan Canot; um deles foi o do ex-campeão francês de bodyboard em 19 de setembro de 2011, Mathieu Schiller, cujo corpo nunca foi encontrado, e o outro, o de um adolescente de 13 anos, futura promessa do surf francês.

Em agosto de 2013, as autoridades decidiram proibir a natação e esportes aquáticos fora das áreas designadas. "É um pouco como o bloqueio agora com COVID-19, para o qual não temos respostas. Mas nesta crise de tubarão não temos máscaras, géis protetores ou testes. Só podemos ficar em casa”, Comenta François Taglioni, pesquisador da Universidade de La Reunion.

Para resolver este problema de segurança pública, medidas excepcionais também foram possibilitadas: a captura, monitoramento e rastreamento de espécimes, a instalação de redes de última geração, observação subaquática e vigilância de praias e por drones para permitir atividades e Esportes Aquáticos.

O surf, esporte praticado na ilha francesa há 50 anos e que estava em pleno desenvolvimento naquela época com mais de 30.000 praticantes por ano, tem sido a atividade mais exposta aos ataques. "O risco de tubarões foi multiplicado por 23 em sete anos (de 2011 a 2018), enquanto o número de praticantes foi dividido por 10”Diz David Guyomard, pesquisador do Shark Security Center.

De acordo com pesquisa publicada emRelatórios Científicos, há um ataque de tubarão a cada 24.000 horas de surfe, uma taxa anual que está entre as mais altas do mundo. Na verdade, desde 1988, 86% das picadas de tubarão envolveram surfistas na costa a sotavento, onde 96% das atividades de surf acontecem.

Apesar das restrições aos banheiros, que continuam em vigor até hoje, muitos surfistas ignoraram as recomendações mesmo durante o bloqueio e os ataques continuaram. Mas a comunidade científica está mais ativa do que nunca para entender a origem desses encontros infelizes.

Uma reserva marinha questionada

A reserva natural marinha da ilha de La Reunion, classificada em 2007 e ocupando uma área de cerca de 3.500 hectares na costa oeste da ilha, foi logo apontada por vários setores como a principal causa do aumento dos ataques de tubarões da Sardenha ou touro (Carcharias leucas) - Muitas vezes confundido comCarcharias taurus-, que pode medir cerca de 3,4 metros em média e as principais espécies envolvidas nos ataques, juntamente com, em menor grau, o tubarão tigre (Galeocerdo cuvier).

Desde a sua criação, a área de proteção marinha tornou-se um santuário onde a pesca é proibida. "Muitos pensaram que a reserva se tornaria um refeitório para tubarões, que eles proliferariam, e isso não é verdade”, Comenta o pesquisador francês. No entanto, o inventário de biomassa antes e depois da criação da reserva mostra que não aumentou. "Dizer que é uma sala de jantar -porque tem mais peixes- é totalmente falso”, Diz o cientista.

As suspeitas se devem mesmo ao fato de que o espaço da reserva se sobrepõe exatamente às áreas onde mais ocorreram ataques desde 2011, por ser onde mais gente surfa. É concomitante, mas não há relação entre os dois elementos”, Garante Taglioni.

Em um estudo publicado recentemente, uma equipe de cientistas franceses e americanos analisou, usando telemetria acústica passiva, a distribuição espacial de 36 tubarões da Sardenha dentro e fora da área protegida para mostrar que humanos e tubarões podem coincidir em algumas áreas.

Após 17 meses de estudo, os resultados revelaram que os tubarões passam mais tempo fora da reserva do que dentro. "Isso revela que a distribuição espacial dos tubarões não está centrada principalmente na área marinha protegida ao longo da costa oeste da Ilha da Reunião.”, Dizem os autores em seus trabalhos.

No entanto, os cientistas identificaram certos locais específicos na reserva que poderiam se sobrepor à presença humana em certas épocas do ano. "Na verdade, tem havido mais ataques nesta área porque é onde estão os spots de surf. Existem mais surfistas e banhistas”, Afirma Taglioni.

Tendo descartado a hipótese da área marinha, por que há mais ataques de tubarão nesta ilha do que em qualquer outro lugar do mundo? "Não temos a resposta. É muito complicado. Acreditamos que há uma infinidade de fatores que entram em jogo”, Avisa o cientista.

Por que o ataque de tubarão?

Como resultado do recrudescimento dos ataques, em 2012 foi lançado o programa científico CHARC para compreender o comportamento dos tubarões-tigre e da Sardenha, espécies implicadas nos ataques a surfistas e banhistas e cuja ecologia não foi bem estudada.

No âmbito deste projeto, uma investigação publicada na revistaOcean & Costal Management, coletou alguns dados sobre a distribuição espaço-temporal de tubarões e pessoas entre 2011 e 2013, durante os quais ocorreram oito ataques fatais.

Entre as conclusões, destaca-se que a distribuição de usuários e tubarões se sobrepõe e que as áreas de médio a alto risco de interação muitas vezes correspondem àquelas historicamente implicadas nesses ataques. Porém, "locais de ataque de tubarão não estão consistentemente associados a uma alta presença de tubarões”, Indicam os autores liderados por Anne Lemahieu do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD, por sua sigla em francês), que clamam por maiores medidas em áreas prioritárias.

Para François Taglioni, um dos motivos para o aumento do número de ataques é o maior número de pessoas na água em um determinado local: “O risco aumenta. Se você não entrar na água, não haverá ataques”.

Em um estudo publicado no ano passado emPolítica Marinha, o cientista francês e sua equipe analisaram os fatores que poderiam explicar os 57 ataques de tubarão ocorridos de 1980 a 2017 na ilha. Entre as variáveis ​​estudadas estão precipitação, temperatura, época do ano, hora do dia e turbidez da água, entre outras.

Na verdade, o tubarão ataca a qualquer hora do dia, desde que haja um ser humano na água”, Diz o especialista. O mês do ano também afeta os resultados. "Durante o inverno no hemisfério sul (julho e agosto), ocorrem mais ataques. As explicações para isso são diversas: é época de monta e os machos podem ser mais agressivos, e também é o momento em que há mais ondas e os praticantes de esportes náuticos estão na água.”, Indica o cientista.

Outro aspecto que os pesquisadores conseguiram confirmar é que o tubarão-touro da Sardenha, capaz de escalar estuários ou habitar lagos e rios de água doce, graças a uma glândula em seu rim que permite filtrar a água, gosta de água turva. "Vai atacar, principalmente quando há ondas e, portanto, mais surfistas”, Diz Taglioni.

Medidas para reduzir ataques

  • grandes redes
  • observadores de tubarões
  • drones, equipamentos de proteção individual ou coletiva, barreiras eletromagnéticas
  • vigilância em jet skis
  • pesca de prevenção

Cada uma dessas medidas contribui para reduzir o risco. Eles não podem ser implantados sozinhos, mas devem ser complementares. A sobreposição deles reduzirá o risco a um nível aceitável para uma prática segura de atividades no mar ”, explica Guyomard.

Veja as reuniões completas de estratégia de redução de risco de tubarão


Vídeo: 10 ENCONTROS COM TUBARÕES CAPTURADOS POR CÂMERA (Junho 2021).